CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Roberto C M Santiago
Textos e reflexões
Textos


(Produzida desde 1943)

CACHAÇA HAVANA, 70 ANOS DE HISTÓRIA
 
 
 

A mais emblemática marca de cachaça artesanal brasileira faz sete décadas de produção no município de Salinas



Tradicionalmente a produção de cachaça na região de Salinas se inicia no mês de maio e se estende até dezembro. O solo e clima da região propicia a produção de cachaça em fazendas escondidas em colinas e serras da região. Nas últimas décadas a cachaça de Salinas alcançou tamanha projeção que é reconhecida como a "Capital Mundial da Cachaça de Alambique".

Salinas virou sinônimo de cachaça e faz parte da história da cachaça brasileira. Recentemente ganhou um museu da cachaça construído pelo governo de Minas Gerais. Tem, ainda, um festival anual de cachaça que atrai grande número de turistas ávidos por degustar as mais de sessenta marcas ali produzidas. A produção anual giral em torno de cinco milhões de litros comercializada sob mais de cinquenta marcas, algumas de renome nacional e internacional.

Em maio quando se inicia a produção de cachaça nas fazendas da região, uma terá motivo especial para comemorar: a fazenda Havana, que fica no sopé da Serra dos Bois, entre os municípios de Salinas e Novorizonte. Na fazenda Havana a produção de cachaça teve início em 1943 e, desde então, se transformou numa espécie de reduto sagrado da cachaça brasileira.

Da fazenda Havana sai a cachaça mais antiga de Salinas e região: a Havana. A projeção nacional e internacional da cachaça de Salinas teve início nesta fazenda de propriedade do produtor Anísio Santiago (1912-2012). A cachaça produzida por Anísio Santiago sob a marca Havana fez tanto sucesso que estimulou outros fazendeiros seguirem o mesmo caminho. Atualmente, o agronegócio da cachaça em Salinas já representa cerca de um terço da economia do município.

Nestes setenta anos de produção de cachaça na fazenda Havana Anísio Santiago e seus filhos criaram método de alambicagem e envelhecimento da cachaça Havana, agora também com a marca Anísio Santiago, até hoje não decifrado pelos concorrentes. E, mais, se tornou numa das marcas de cachaça mais caras do país. Ainda assim, a produção continua restrita. A família de Anísio Santiago vem mantendo o mesmo método de fabricação forjado pelo patriarca. As marcas de cachaça Havana e Anísio Santiago é exemplo de sucesso. A longevidade da produção é prova inconteste disso. Bom para Salinas e para a cachaça brasileira.

Marcas históricas como a Havana são importantes para o agronegócio da cachaça no Brasil. Serve de referência para outros produtores. Nestes setenta anos de produção, a cachaça Havana vem demonstrando que é possível fazer sucesso, ainda que a estrutura de produção seja pequena e que o alambique esteja instalado longe dos lugares de consumo. A cachaça Havana e reconhecida no país e no exterior como um das mais tradicionais marcas de cachaça do Brasil. É apreciada por degustadores, especialistas e personalidades somente em determinadas ocasiões. É guardada como se fosse um tesouro dada a sua preciosidade. Centenas de reportagens em livros e revistas em diversas épocas registraram o feito histórico da cachaça produzida por Anísio Santiago.

Osvaldo Santiago, filho e sucessor de Anísio Santiago diz que a "tradição e qualidade da cachaça Havana-Anísio Santiago permanecem. Sabemos da importância histórica da cachaça produzida em nossa fazenda. Não abrimos mão do legado deixado pelo nosso pai. Buscamos o centenário da nossa cachaça com esmero e capricho. Muita gente não entende, mas não buscamos riqueza. A fazenda Havana continua do mesmo jeito que ele deixou".

Assim caminha a cachaça Havana no tempo e no espaço em busca do seu centenário. O tempo virou companheiro inseparável dessa magnífica marca de cachaça produzida com esmero e capricho na fazenda Havana. Anísio Santiago faleceu em 2002 aos 91 anos, mas o seu feito continua sendo perpetuado pelos filhos. Um exemplo de empreendimento familiar que se perpetua ao longo do tempo num país em que a maioria das empresas fecham no primeiro ano de funcionamento. Parabéns à família de Anísio Santiago, afinal de contas setenta anos de produção é um feito espetacular que merece registro. Deus protege quem trabalha e produz com honestidade.


Depoimentos


"Historicamente, Anísio Santiago trouxe fama e prestígio para a cachaça de Salinas através da Havana. É um dos maiores patrimônios culturais da nossa terra." (JOSÉ ANTÔNIO PRATES, ex-prefeito de Salinas).

"A fama da Havana atraiu para Salinas a atenção do Brasil e do mundo. A capital da cachaça tem o dever de reconhecer o seu maior benfeitor." (ISRAEL PINHEIRO FILHO, engenheiro, político e filho de Israel Pinheiro, ex-governador de Minas Gerais).

"São poucos os produtores de cachaça no Brasil que conseguem manter a tradição e qualidade. Anísio Santiago soube produzir sem fazer concessões para o mercado e as tentações de aumentar o volume de produção." (MAURÍCIO MAIA, cachacier).

"Anísio Santiago é referência aos produtores de Salinas, pois viam nele um expoente no processo de produção de cachaça artesanal de qualidade." (ANTÔNIO EUSTÁQUIO RODRIGUES, produtor de cachaça em Salinas sob as marcas Boazinha, Saliboa e Seleta).

Referência bibliográfica:

SANTIAGO, Roberto Carlos Morais. O Mito da Cachaça Havana-Anísio Santiago. Belo Horizonte: Cuatiara, 2006.

(Fazenda Havana)

Texto de:
Roberto Carlos Morais Santiago
Enviado por Roberto Carlos Morais Santiago em 27/03/2013
Alterado em 08/05/2013
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Cachaça
HAVANINHA
A saga de Anísio Santiago continua!